...

EN

ES

Uern Natal retoma projeto de extensão de combate às drogas em escolas escolas públicas

Depois de dois anos sem aulas presenciais, foi retomado o projeto de extensão mais longevo da Uern Natal: “Um olhar multidisciplinar das drogas na escola”, concebido e coordenado pela Profª Dra Maria Audenora das Neves Silva Martins, com alunos do 1º e 2º períodos do curso de Direito, dentro das disciplinas de Fundamentos de Filosofia e Ética, Metodologia Científica e Psicologia Jurídica.

As intervenções recomeçaram onde o projeto nasceu em 2002, na Escola Estadual Djalma Aranha Marinho, no Pitimbu, que atende ao Planalto e a comunidades adjacentes, na zona Sul de Natal.

Na última quinta-feira (28), 175 crianças e adolescentes, na faixa etária dos seis aos 15 anos, participaram das atividades conduzidas pelos extensionistas da Uern Natal, para ensinar sobre a nocividade e os tipos das drogas (lícitas e ilícitas), além de alertar para os riscos do uso delas na escola e na sociedade. As atividades envolvem palestras educativas, filmes, produção de textos, desenhos, colagens, mural didático, painéis, dramatização, oficinas de arte, concurso de cartazes, músicas, paródias e fatos reais, entre outras técnicas.

“A extensão universitária reflete o compromisso da Universidade com a transformação da sociedade em direção à justiça e à democracia. Nosso projeto tem procurado cumprir com o conceito de extensão como processo educativo, cultural e científico na questão do uso de droga entre os jovens”, justifica a professora Aldenora.

Ela conta que as escolas para as quais o projeto é levado são as que a direção e a equipe pedagógica abre as portas, como é o caso da Escola Municipal Adelina Fernandes, na zona Norte, próximo à Uern, onde, este ano, a direção pediu para ampliar o projeto para os dois turnos de aulas.

“Problemas com drogas existe em todas as zonas da cidade. Vamos onde sabemos que contaremos com o apoio dos professores. Nosso projeto já alcançou, mais de cinco mil crianças e adolescentes, transformando as salas de aula em espaços de diálogo, para ouvir a realidade deles e delas e proporcionar uma troca de experiências”, conta a professora universitária, pois segundo ela, para muitos alunos de Direito é um choque de realidade conhecer histórias de crianças com famílias destruídas pelas drogas e pela violência doméstica, bem como, para alguns, essas palestra também são as primeiras oportunidades de falar em público, praticando a oratória exigida no exercício da profissão.

“Algumas crianças pedem para levar para casa as atividades que fazem nas oficinas, para mostrar ao pai ou à mãe, na tentativa de os fazer parar de beber; ou convencer o avô ou a avó a parar de fumar, pois dizem que os amam demais e querem que eles vivam sem drogas lícitas. As professoras e os pais falam da repercussão em casa, depois das atividades e pedem o projeto de forma permanente na escola”, relata a professora.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support