PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA É LANÇADO

A Pró-Reitoria de Ensino de Graduação da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (PROEG/UERN) lançou, nesta quinta-feira (29/4), o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID), em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), órgão do Ministério da Educação (MEC). A solenidade ocorreu no auditório da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais (FAFIC) e contou com a participação de professores universitários, acadêmicos, professores das escolas selecionadas e do vice-reitor da UERN, professor doutor Aécio Cândido de Souza – reitor em exercício.

O PIBID tem por finalidade incentivar à prática docência nos alunos dos cursos de licenciatura da UERN. Inicialmente, segundo o pró-reitor de Ensino de Graduação, professor João Batista Xavier, seis cursos participam. Segundo ele, esse número será acrescido anualmente, conforme apresentação e seleção de projetos para serem trabalhados com o tema proposto pela CAPES.

Para o vice-reitor, esse projeto, tanto a formação continuada de professores, como também o PIBID, é importante. “O País está começando a ver que a formação profissional de professores é algo estratégico. Precisamos formar, e muito bem, os nossos professores. Não temos problemas maiores em outras áreas. Formamos bem engenheiros, médicos, mas acho que na área de professores, por várias razões, temos problemas. Hoje o Governo começa a despertar para isso e institui um programa que se tem, através dele, uma intervenção concreta através da formação de professores”, comenta.

Aécio Cândido acrescenta que os estudantes das licenciaturas vão ter experiência de docência acompanhada por alguém de dentro da Universidade, bem como por professores que já atuam no ensino médio e que tem a sua experiência. “Eles vão acompanhar os bolsistas e isso é algo novo. Tem importância para a Universidade, no sentido de que se terá ligação forte com as escolas do ensino médio através desse aluno e do professor, que está interagindo com a Universidade.”

O vice-reitor analisa que o número de seis cursos que passam a integrar o programa representa um bom começo das ações. Segundo ele, por se tratar de um programa novo, leva um certo tempo para que haja adesão. Além disso, o vice-reitor diz que exige também uma certa familiaridade para que todos tenham cesso, como um grupo de professores com condições e capacidades de formular um bom projeto. “Isso parece evidente à primeira vista, mas não é. É necessário que se formem esses grupos de professores, que eles se sintam estimulados e detenham o conhecimento de formulação de projetos na área. Pela novidade, é um número bom e a tendência é expandir”, afirma.

 

 

Entrevista

João Batista Xavier, pró-reitor de Ensino de Graduação

como esse projeto vai atuar na formação continuada da educação básica?

È um projeto do MEC, através da CAPES, muito importante para que a gente possa contribuir, com o nosso corpo de professores, para a melhoria da qualidade de ensino na Universidade. Estamos, através do PIBID, com 140 bolsas que o estudante vai receber e desenvolver atividades inerentes conforme orientação do projeto. Para nós, projeto como esse, e outros que vem do MEC… Você sabe que o Ministério da Educação, através deste governo, tem triplicado o orçamento para a área da educação, não só em termos de criação de Universidades, IFRN’s, como também de programas que implementam a melhoria na qualidade de ensino nas Universidades. Aqui, junto com os cursos que aderiram ao programa, é claro que, seguindo as orientações, vão desenvolver atividades que vão, cada vez mais, melhorar a qualidade do ensino, como também levar esses alunos a terem uma visão mais positiva em relação ao desenvolvimento da pesquisa no interior da UERN.

Esses trabalhos serão extensivos às escolas da rede pública de ensino?

Esse trabalho é extensivo às escolas da rede pública de ensino de nossa região. É importante preparar, conforme o nosso objetivo, apresentar propostas para a seleção de projetos em vista à concessão de bolsas com estímulo à docência para alunos de cursos de licenciaturas e para coordenadores e supervisores responsáveis pela educação. Um projeto voltado para o interior da UERN, mas com abertura e que terá repercussão significativa nos que fazem as escolas públicas do Rio Grande do Norte, já que vão preparar futuros profissionais de qualidades para atuarem nessas escolas, nessa rede de ensino médio.

Como será atuação, nas escolas, desses alunos e dos professores que vão orienta-los?

É um projeto que se volta para preparar, em termos de qualidade de ensino, os alunos das licenciaturas. É claro que isso vai, a partir dos projetos, estender essa política para que todos tomem consciência e a importância da Universidade no desenvolver da aplicação desses projetos.

Quantos cursos se interessaram pelo programa?

No momento são seis cursos que conseguiram aprovação, conforme o processo de seleção feita na própria UERN. A posteriori, a cada ano vamos ampliar, para que novos projetos feitos pelos cursos façam parte, tendo em vista a melhoria da nossa formação docente. Acredito que esse número será ampliado anualmente.