GARIBALDI FALA SOBRE PISO E REITOR COBRA MAIS ATENÇÃO ÁS UNIVERSIDADES ESTADUAIS

O presidente do Senado Federal, senador Garibaldi Alves Filho (PMDB/RN), reconheceu que o piso nacional de professores da educação fundamental e do ensino médio, de R$ 950,00, ainda não é o ideal. Contudo, ele afirmou que em muitos estados brasileiros, o salário pago a estes profissionais é bem inferior ao valor aprovado recentemente pelo Senado. A afirmação de Garibaldi foi dada na sexta-feira, 4/7, quando da colação de grau de 102 estudantes do Campus Avançado Prefeito Walter de Sá Leitão (CAWSL), de cuja turma concluinte foi paraninfo.

Para Garibaldi, o projeto de autoria do senador Cristóvão Buarque (PDT/DF) resgata a valorização do professor, tendo em vista que assegura avanço na questão salarial da categoria. O presidente do Senado também anunciou a abertura de concursos, por parte do Governo Federal, para contratação de professores em universidades federais e Centros Federal de Educação Tecnológica (CEFET’s). “É uma boa notícia para vocês. O Governo vai abrir mais vagas para professores”, disse.

Após o discurso do paraninfo, o reitor da UERN, professor Milton Marques de Medeiros, discorreu acerca da situação das Universidades Estaduais, que enfrentam problemas decorrentes da falta de apoio do Governo Federal. “O Governo está ampliando as universidades federais, e isso é bom. Mas deu as costas para as universidades estaduais. É bom que lembremos que a educação fundamental é obrigação do município, o ensino médio, do Governo do Estado, e o ensino superior, do Governo Federal. No Rio Grande do Norte, o Governo do Estado tem mantido o ensino superior e temos que reconhecer essetrabalho”, disse o reitor.

O reitor aproveitou a oportunidade para reivindicar do presidente do Senado e da senadora Rosalba Ciarline (DEMN/RN), que também estava na solenidade de colação de grau, mais atenção às universidades públicas estaduais. “Senhor presidente do Senado, nossa Universidade precisa, também, da atenção dos parlamentares… Nem que seja uma emendazinha (emenda ao Orçamento Geral da União/OGU) para que possamos investir na nossa UERN”, disse.

Edilson Damasceno
Agecom/UERN
3315 2115